publicidade

Blog do Milton Neves

Neymar renascerá após puxão de orelha mundial!

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Nunca um jogador foi tão ridicularizado em uma Copa quanto Neymar no Mundial da Rússia.

Mas, creiam, isso será ótimo para ele e para o futebol brasileiro!

E eu explico.

Após a eliminação do escrete canarinho da Copa, o craque do PSG levou o maior “puxão de orelha” da sua vida.

Um “puxão de orelha” de verdade, que ele jamais tinha levado de seu pai ou dos profissionais que gerenciam a sua carreira.

O susto foi tão grande que tenho certeza que Neymar deixará de lado os tais “parças”, diminuirá a sua exposição nas redes sociais, parará de xingar bandeirinhas, árbitros e zagueiros e esquecerá de vez essa história de simular faltas.

Daqui para frente, aposto, restará apenas um Neymar “puro”, ainda com 26 anos, com um futebol espetacular em seus pés e com muita vontade de vencer com a seleção brasileira.

Certo?

Bom, e o primeiro passo para a redenção do eterno Menino da Vila será “mandar embora” o PSG e voltar para um grande time do futebol mundial.

Aí, podem acreditar que as coisas vão acontecer naturalmente e Neymar calará muitas bocas mundo afora.

Inclusive as nossas!

Opine!

Compartilhe:

Superior, com VAR e “Apité Amigué”, França levanta o caneco na Rússia!

Foto: UOL

França 4 x 2 Croácia.

Pois é…

Apesar da torcida do “mundo”, não deu para a Croácia.

Estava tão na cara que a França venceria sua segunda Copa do Mundo, mas tão na cara, que venceu mesmo!

Superior à Croácia, o time de Didier Deschamps “sobrou” nesta final.

Com o VAR (correto no segundo gol) mas também com ajuda enorme de um “apité amigué”, pois a falta que originou o primeiro gol francês não existiu…

Griezmann cavou a falta perto da entrada da grande área croata e o árbitro “caiu” na encenação.

O mesmo Griezmann levantou e Mandzukic jogou contra o patrimônio, de cabeça.

E não foi apenas o erro em ter marcado a falta, pois Pogba estava impedido disputando a bola com Mandzukic, atrapalhando o jogador que fez contra…

Ou seja, erro duplo na arbitragem do argentino Néstor Pitana, que favoreceu a França aos 18 minutos do 1º tempo

E só dava Croácia…

Mas a justiça se fez…

Perisic, nove minutos depois, fez um golaço e deixou tudo igual!

E poderia ter virado, se Néstor Pitana tivesse dado pênalti em Mandzukic. Faltou veemência aos croatas para pedirem o VAR, que aceitaram a não marcação “bovinamente”.

E no meio do caminho croata tinha um VAR, tinha um VAR no meio do caminho…

O mesmo Perisic tocou a mão na bola dentro da área, lance que foi reclamado pelos franceses e o árbitro recebeu o aviso de revisão.

Infração constatada, Griezmann bateu sem chances para o bom goleiro Subacic, que joga de verde…

Pois é, jogando de verde é difícil conseguir ganhar um Mundial…

E Pogba, aos 13 minutos do 2º tempo, ampliou, após contra-ataque puxado por Mbappé e passe de Griezmann.

E a fatura foi liquidada quando Mbappé, aos 19, arriscou de fora da área e Subacic parecia desanimado para nem tentar a defesa…

Mas a Croácia ainda foi valente, aproveitando falha de Lloris, que saiu jogando errado e Mandzukic com seu faro de tubarão, como nosso saudoso Vavá, aproveitou para diminuir.

E a França conseguiu ser campeã mesmo com um centroavante que não fez gol…

Se nós tivemos o Gabriel Jesus, eles jogaram com o “Gabriel Giroud”…

Esta Copa da Rússia estava fácil demais para o Brasil ganhar…

Não fosse a teimosia de Tite, com Paulinho titular e o marcador de beques Gabriel “Jejum”, poderíamos ter disputado esta final.

Sem falar em Taison entre os 23 e Arthur fora dos relacionados pelo treinador, tão bom nas eliminatórias e tão decepcionante na Copa.

Tite, em seus intermináveis discursos “pastorais” e de auto-ajuda falou muito em gratidão…

Ora bolas, se quis ser tão grato a Paulinho, por exemplo, por que não colocou Cássio no gol, um dos principais responsáveis pela conquista da Libertadores e do Mundial em 2012?

Mas, voltando à “vaca fria”, 20 anos depois a França volta a ganhar uma Copa do Mundo.

Ganhou mesmo a melhor seleção?

Quem foi o melhor jogador desta Copa?

A Fifa elegeu o croata Luka Modric.

OPINE!

Compartilhe:

Vavá croata: o faro do tubarão Mandzukic

CLIQUE AQUI E CONHEÇA A HISTÓRIA DE VAVÁ NA SEÇÃO “QUE FIM LEVOU?”Mario Mandzukic foi Vavá quando do segundo gol croata contra os ingleses

Nunca vi Vavá (1934 – 2002), o que disputou duas Copas e ganhou as duas.

Nem nas tradicionais, maravilhosas, eternas e emocionantes festas dos veteranos do Palmeiras.

Ou ele não foi quando fui, ou não fui quando ele foi.

Em 1999, no Palestra Itália: Vavá é o segundo, da esquerda para a direita. Hélio Burini é o quarto e Ademar o quinto. Sentados estão Bentivegna e sua esposa

Uma pena, cresci ouvindo “Vavá” no rádio.

Vavá e Pagão, os nomes que mais me marcaram.

Pelé não vale.

Nunca entrevistei Vavá.

Nem no rádio.

Mas estava no estúdio da Jovem Pan quando o repórter Luís Carlos Quartarollo colocou no ar entrevista sua gravada com o “Leão da Copa” ou o “Peito de Aço” (bem antes de Dadá Maravilha).

Mesmo que nem toda gravação no ar mereça a atenção devida por parte de nós, sete ou oito tagarelas de estúdio, coloquei o fone porque queria saber como era a voz do pernambucano das seleções de 58 e de 62, do Atlético de Madrid e do Palmeiras.

Amistoso entre Botafogo e Atlético de Madrid: Garrincha, Vavá e Didi

“Centroavante na área é como um tubarão no mar: tem que ter faro, come o que aparece, vive de resto e sobrou uma bola mete a ‘chanca’ (chuteira) nela e a enfia na rede”, foi direto.

Ah, claro, reprisei no “Plantão de Domingo” e no “Terceiro Tempo” várias vezes e arquivei a entrevista no esquecimento.

Também, são 50 anos de microfone e quantas entrevistas, sô.

Ah, se soubesse que um dia ia existir essa tal de internet…

Mas naquele Croácia 2 x 1 Inglaterra, desta última quarta-feira, Vavá renasceu, reavivou minha memória cansada e abarrotada de amor pelo jogador de ontem e Vavá voltou a… jogar!

Mario Mandzukic foi Vavá na prorrogação quando do segundo gol croata!

A bola “pererecou” (criação do jornalista Mauro Beting) na pequena área inglesa em mais um ataque da esfalfada Croácia.

A defesa inglesa “conjurou” (Fiori Gigliotti) o perigo e a bola sumiu da TV por milésimos de segundo.

Aí todos vimos os dois aliviados zagueiros ingleses já saindo da pequena área ao lado de Mario “Vavá” Mandzukic, com os três olhando para frente, de costas para o gol.

Mas, de repente, com enorme felicidade e tecnologia, a TV pega a bola voltando para a pequena área com os zagueiros ingleses de raciocínio lerdo ou normal no contrapé e um Mandzukic, de reflexo e faro de tubarão ou de Vavá, já girando em posição contrária de seus marcadores.

Quando os beques da Rainha acordaram, Mandzukic já estava virando o corpo, preparando o chute e seu pé esquerdo para, sem olhar para o gol ou para o goleiro, enfiar a bola na rede.

Reflexo puro de matador, de predador da área!

Gol de centroavante ou de “centravante” (é assim no interior de Minas Gerais), viu, Tite?

“Centravante” é marcador de gol e não “marcador tático”!

Golaço de Mario Mandzukic!

Golaço de… Vavá!

Vavá, o sábio e imparável artilheiro que explodiu no Vasco.

Vavá vestiu o manto cruzmaltino de 1952 a 1958

Bélgica 2 x 0 Inglaterra

Disputa de terceiro lugar de Copa do Mundo é sempre tão emocionante quanto dançar de rosto colado com a mãe ao som de “Sentimental Demais” na voz do saudoso Altemar Dutra.

E, no Mundial da Rússia, claro, não foi diferente…

Joguinho bem morno que terminou com vitória da “ótima geração belga” diante dos ingleses.

Que Copa “baba”, meus amigos!

Ah, se tivéssemos um centroavante “marcador de gol” e não “marcador tático”…

Ah, se Tite não tivesse insistido tanto no atrapalhado Paulinho…

Bom, agora é tarde!

Que venha 2022!

Opine!

Compartilhe:

Saudades de Pelé e Garrincha! E na Copa perdemos até no apito!

A foto acima, publicada pelo Rei Pelé em seu perfil no Twitter, é emocionante!

Ela mostra Garrincha, com a camisa 16, marcando, de falta, o seu último gol pela seleção brasileira.

Foi na vitória brasileira por 2 a 0 diante da Bulgária, pela Copa de 1966.

O goleirão Naidenov (1931 – 1970) bem que tentou, mas não conseguiu alcançar a bola.

E, convenhamos, ele armou mal demais a barreira…

Essa, inclusive, foi a última vez em que Pelé e Garrincha jogaram juntos pela seleção.

Vale lembrar que o Brasil nunca perdeu com essa maravilhosa dupla em campo.

E, no post em que divulgou a foto, Pelé deixou a seguinte pergunta:

“Como você acha que nos sairíamos se jogássemos juntos atualmente?”

Ora, Pelé, eu tenho certeza que vocês seguiriam invictos e aterrorizando zagueiros mundo afora!

E, na Copa de 2018, o Brasil já foi eliminado faz tempo, é verdade.

Mas ainda estávamos na torcida para que o corretíssimo brasileiro Sandro Meira Ricci fosse escolhido para apitar a final entre França e Croácia, no próximo domingo.

Só que acabamos “perdendo” até no apito!

E para a Argentina!

O “hermano” Néstor Pitana, o “Daronco Argentino”, comandará a decisão do Mundial.

Boa sorte a ele e que, em breve, tenhamos novamente muitos brasileiros em campo em finais de Copa!

Opine!

Compartilhe:

Em Copa “baba”, Croácia será campeã contra a França!

Foto: UOL

Croácia 2 x 1 Inglaterra.

Há um mês, quem poderia imaginar que a Croácia estaria na final da Copa da Rússia?

Será que algum vidente disse que seriam croatas e franceses a decidirem este Mundial?

Verdade seja dita, foi uma Copa muito fácil para o Brasil ganhar, não é mesmo Tite?

Uma “baba”.

Mas a teimosia do treinador brasileiro foi mortal, com Gabriel Jesus, Paulinho, Fernandinho…

E não ter convocado Arthur…

E ter levado o TAISON!!!

Bom, voltando à vaca fria, agora o bom time francês terá um adversário motivado e talentoso, a Croácia, que venceu após a virada contra a Inglaterra.

E os ingleses, que ganharam sua única Copa no apito, em casa, em 1966, não vão conseguir o segundo caneco.

Teremos um campeão inédito!

A Croácia não vai deixar escapar essa chance de ouro, talvez única.

Não vai ficar no “cheirinho”, como fizeram a Hungria em 1954 e a Holanda (a eterna vice), em 1974, 1978 e 2010.

Podem escrever!

O JOGO

A Inglaterra começou com apetite e logo aos 6 minutos de jogo abriu o placar, com Trippier, bela cobrança de falta, em que pese o posicionamento do goleiro, muito no cantinho “de lá”, no caso o direito.

Poderia ter liquidado a peleja mas se retraiu, principalmente no 2º tempo, dando campo e corpo aos croatas, que chegaram ao empate com Perisic e estiveram perto da virada.

Mas, nos 90 minutos, ficou assim, empate em 1 a 1.

Na prorrogação, aos 4 minutos do 2º tempo, gol croata.

Após toque de cabeça de Rakitic,  Mandzukic (foto acima) entrou cara a cara com o goleirão inglês e fuzilou.

A Croácia, que parecia inferior fisicamente, em sua terceira prorrogação, foi buscar energia para segurar os ingleses, que desesperados tentaram empatar para levar o jogo para os pênaltis.

Mas não deu…

Agora é França x Croácia!

Quem vence?

OPINE!

Compartilhe:

Campeonato francês é “meia-boca”, mas seleção é boa! Porém, vai perder para a Croácia!

 Foto: UOL

França 1 x 0 Bélgica.

E a França é finalista da Copa da Rússia!

Campeã há 20 anos, naquele jogo em que Zagallo e Lídio de Toledo perderam quando colocaram “na pedra” o nome de Ronaldo Fenômeno no time brasileiro ao invés de Edmundo, agora tem a grande chance de buscar mais uma Copa do Mundo!

A França tem um campeonato de times “meia-boca”, mas uma seleção boa. Porém, vai perder para a Croácia, que amanhã passa pela Inglaterra.

A geração belga, muito boa, não conseguiu o inédito feito de estar em uma final.

Os vizinhos holandeses devem estar rindo de “orelha a orelha”…

Já pensaram os belgas, e não eles, ganhando uma Copa primeiro?

Depois de um primeiro tempo muito truncado e modorrento, indigno de uma semifinal de Copa, logo aos 5 minutos da etapa final saiu o zero do placar, quando Umtiti (foto acima) ganhou do grandalhão Fellaini para marcar de cabeça, após cobrança de escanteio.

A Bélgica não foi nem sombra do que foi contra o Brasil.

Também, jogou desfalcada de Fernandinho, Paulinho e Gabriel “Jejum”…

Em desvantagem no placar, foi com toda força para buscar o empate.

Teve uma falta pertinho da entrada da grande área, mas o juizão jogou para a França e não marcou a clara infração de Giroud em Hazard.

Seria uma chance e tanto para a Bélgica igualar o placar.

“Apité amigué”…

Mas,  no “frigir dos ovos”, pela tradição, melhor a França na final.

França x Croácia ou França x Inglaterra?

Quem fica com este caneco que estava uma moleza enorme para o Brasil levantar, hein?

OPINE!

Compartilhe:

CR7 deixa o caminho livre para Neymar!

Fim da novela: Cristiano Ronaldo agora é jogador da tradicionalíssima Juventus.

Após nove anos no Real Madrid e MUITOS títulos, coletivos e individuais, o melhor jogador do mundo vai se aventurar no futebol italiano.

Mas, e agora, o poderoso Real vai deixar por isso mesmo?

Aposto que não!

O clube merengue deve ter uma bombástica carta na manga.

Andam dizendo por aí que Florentino Pérez, presidente do time espanhol, pode, após a Copa, tentar a contratação de Hazard ou de Mbappé.

Mas, apesar de ótimos jogadores, eles não conseguiriam substituir Ronaldo na bola e no marketing.

Por isso, sigo achando que, agora, apesar de tudo que aconteceu no Mundial da Rússia, o caminho está livre para Neymar acertar com o Real.

E essa transferência seria fantástica para o craque brasileiro.

Afinal, em Madri, ele teria que andar na linha e pensar APENAS em jogar bola.

Opine!

Compartilhe:

Neymar removerá essa mancha de sua carreira?

A seleção brasileira, obviamente, foi a grande perdedora da Copa de 2014.

Após os “felipônicos” 7 a1 do Mineirão, o escrete carinho, outrora respeitadíssimo em todo lugar do planeta, acabou virando piada mundial.

E agora, quem foi o grande derrotado na Copa da Rússia?

Diferentemente de 2014, em 2018 o maior revés não foi de uma seleção, mas sim de um jogador.

Neymar, que chegou ao Mundial com expectativa de ser artilheiro e craque do torneio, deixou a Rússia como a chacota do momento em todo lugar do planeta.

Afinal, virou febre agora nos quatro cantos da terra o tal “Neymar Challenge” (desafio Neymar).

A brincadeira é simples: basta se jogar no chão e rolar até determinado lugar.

Quem chegar primeiro, vence!

O exemplo acima aconteceu no México, no intervalo da partida entre o Tijuana e Herediano.

Constrangedor, não é mesmo?

Mas, e agora, Neymar conseguirá remover essa enorme mancha de sua brilhante carreira?

Opine!

Compartilhe:

Tite será o novo Telê Santana? Ótimo de clube e ruim de seleção?

Por Marcos Júnior Micheletti

É claro que os estilos são muito diferentes.

Telê Santana (1931-2006), de outra geração, não tolerava cabelos esdrúxulos.

Fazia marcação “cerrada” nas concentrações e elegia um capitão permanente para seus times.

Tite, nascido em 1961, convive numa boa com o visual “descolado” de sua trupe.

Maleável, homem de diálogo franco, considera o revezamento de capitães uma alternativa interessante.

Teimosos, ambos.

Convictos, dirão outros…

Em 1982, Telê deixou Leão, então o melhor goleiro na ocasião, fora de sua lista de 22 convocados para a Copa da Espanha.

Na “Batalha do Sarriá”, ainda que precisasse de um mero empate, não conteve seu time e acabou perdendo para a Itália.

Manteve em campo o ótimo Toninho Cerezo, mas que estava visivelmente abalado depois da falha no primeiro gol de Paolo Rossi.

Em 1986 errou nas convocações. Levou parte do time de 82, obviamente envelhecido, e “pinçou” algumas peças que não deram liga.

A eliminação em 82 foi na 2ª fase, equivalente às oitavas de final de agora.

A eliminação em 86 foi nas quartas de final.

O tão defenestrado Sebastião Lazaroni comandou a seleção na Copa de 90 e voltou para casa após a aliminação contra a Argentina, nas oitavas de final.

Assim, em termos de seleção, na prática, Telê e Lazaroni são equivalentes. Falo de resultados, pois é óbvio que a seleção de 82 foi encantadora e a carreira de Telê em clubes é incomparavelmente superior a de Lazaroni.

Tite foi brilhante nas eliminatórias para a Copa da Rússia e cometeu erros na convocação (Arthur fora e Taison dentro) e também no posicionamento de Gabriel Jesus, que nunca foi marcador de zagueiros.

Paulinho também foi uma escolha que pode ser questionada.

Em termos clubísticos, currículos invejáveis de ambos.

Telê, primeiro campeão brasileiro em 71, com o Galo, bicampeão da Libertadores e Mundial com o São Paulo, algumas das conquistas. Foi bem até comandando o limitado time do Palmeiras em 79. A vitória maiúscula (4 a 1) em pleno Maracanã contra o quase imbatível Flamengo foi histórica.

Tite, campeão da Copa do Brasil pelo Grêmio, Brasileiro, da Libertadores e Mundial pelo Corinthians, entre outros.

Currículos robustos em seus clubes, Telê fracassou em suas duas tentativas frente à seleção brasileira.

Tite, em sua primeira Copa, também voltou sem a taça.

Resta saber, se a exemplo de Telê, estará no próximo Mundial, ainda que embalado por um time muito menos brilhante do que o de Telê em 82.

Aliás, curiosamente, Telê e Tite também se assemelham no quesito centroavantes.

Telê “domesticou” Serginho Chulapa na Copa da Espanha, receoso com o comportamento pouco ortodoxo do atacante. Foi uma furada do treinador. Serginho parecia um seminarista. Não foi nem sombra do endiabrado necessário para um torneio de “tiro curto”.

Tite “catequizou” Jesus (perdão pelo trocadilho), fazendo um centroavante “fazedor de gols” tornar-se tático, marcador de beques…

Telê tentou corrigir na Copa de 86 os erros de 82. Foi menos convincente ainda…

Tite talvez tenha uma chance em 2022 para vencer este “duelo” com Telê.

Não será fácil…

Compartilhe: