publicidade

Blog do Milton Neves

Ponte Preta, jogai por nós! Mas, e o “fogo amigo” de Wagner Ribeiro, hein?

Milton Neves

elano-comemora-gol-do-santos-contra-o-londrina-1429142322970_615x300

Apito Amigo todo mundo conhece.

Virou domínio público.

Sua manjedoura é o Parque São Jorge.

Mas ele cresceu, virou adulto e tem residência itinerante.

E além do branco e preto, ganhou outras cores.

Aliás, todas elas.

E o que é “fogo amigo”?

Ele existe e ocorre, como todo mundo sabe, quando das guerras em que soldados vitimam colegas por engano na base de tiros ou bombas.

Acontece demais nos filmes e nas reais escaramuças bélicas em que o “esquema tático” é obviamente anárquico e mortes “por engano” ocorrem.

Aliás, o que é guerra?

“Guerra nada mais é do que um massacre entre pessoas que não se conhecem para atender aos interesses de pessoas que se conhecem mas que não se massacram”.

Mas, e daí?

Daí que Wagner Ribeiro, o empresário sempre bem colocado ao lado de atletas que geram fortunas, resolveu virar “conselheiro fiscal e tributário” de Neymar pai.

E sugeriu espontaneamente, via suas redes sociais, que a família de Neymar devesse parar de pagar imposto no Brasil e remeter via Banco Central seus milhões ou bilhões para um paraíso fiscal.

Foi o chamado explícito “fogo amigo”!

Querendo aparecer ou eventualmente “puxar o saco” de seu amigão, que talvez lhe tenha dado uma bela bronca, assinou um texto infeliz e na pior hora possível.

O Brasil “implora” atualmente por impostos neste momento tão difícil de nossa economia e aí vem alguém sugerir que um forte contribuinte famoso não mais recolha o que paga à nossa Receita Federal?

Pode?

Resultado que, coincidentemente, divulgou-se, depois de um ano e meio em segredo, que Neymar teve um Porsche apreendido em 2014 por suspeita de sonegação fiscal na importação do veículo.

Foi mais um safanão na imagem de nosso único craque.

E olha que os bons advogados de Neymar estavam pedindo ao magistrado que cuida do caso “segredo de Justiça”.

E tem mais.

O texto do “jurista contábil” Wagner Ribeiro foi traduzido e já está incorporado oficialmente ao processo que apura na Espanha o real valor da transferência do jogador do Santos para o Barça.

E Paulo Nasser, advogado da DIS, justifica o ato por sentir nisso “risco de frustração de execução futura”.

Está aí, portanto, o belo “fogo amigo” de Wagner Ribeiro.

Mas tem outro “fogo inimigo” contra os Neymares envolvendo essa mais nebulosa transferência de um jogador de futebol em todos os tempos.

Agora foi a vez da abnegada e esquecida FAAP, Federação das Associações de Atletas Profissionais do Brasil, que auxilia jovens jogadores e a ex-jogadores em má situação financeira.

Com base no artigo 57 da Lei Pelé, o presidente Wilson da Silva Piazza, campeão do mundo em 1970, está exigindo os 0,8% que todo clube tem de pagar ao vender um jogador para o exterior.

E a FAAP não recebeu 0,8% nem dos € 17.1 milhões inicialmente declarados e pagos ao devedor Santos FC pelo Barça.

FAAP que, como parte interessada, entrou no processo na Espanha exigindo os 0,8% também em cima daquilo que os espanhóis eventualmente decidirem ter sido o real valor da transferência do craque genial.

Aguardemos.

Ah, mas e a Ponte Preta, hein?

Macaca, Macaca, por favor, ganha do Corinthians, vai!

Assim, “começará” o Brasileirão-2015.

É que dando Corinthians, tudo perderá a graça.

E o pior é que dará Corinthians!

“Uma pena”!

Imagem: reprodução