publicidade

Blog do Milton Neves

Na agricultura da bola, o adubo é o jogador. Técnico-fazendeiro qualquer um serve!

Milton Neves

Dunga-Caipira

Escrevo de Guaxupé-MG.

A Cidade do Café viveu um fim de semana “frenético”.

Nunca tantos jatinhos e helicópteros foram vistos por aqui.

Governadores, senadores, deputados e empresários cafeeiros do Brasil e do exterior prestigiaram a inauguração das novas alas e da ultramoderna torrefação da “Unidade Japy” da Cooxupé, a maior cooperativa de café do mundo.

Raríssimos investidores chineses foram vistos como “ETs”, ao lado de gente de Nova York, Tóquio, Londres e Cingapura.

E não é que Varginha também fica no pedaço?

Como a sortuda “Fazenda do Ipê”, valorizada pela vizinhança com os milhões de dólares investidos pela Cooxupé em sua ampliação de instalações e de sua liderança mundial no setor.

Aqui é a terra de José Douglas Dallora, ex-presidente do São Paulo FC nos tempos em que o Tricolor nadava em dinheiro.

Hoje está “quebrado”.

Quem não está?

Qual clube brasileiro seria atualmente uma potência europeia?

Nenhum!

E vai piorar.

O Santos FC é o mais ameaçado.

Cansei de falar que o coitado que ganhasse as últimas eleições herdaria “terra arrasada”, by Laor e Odílio.

Pobre Modesto Roma.

Que pepino!

E vai piorar.

Ajudei a eleger, para não dizer que elegi sozinho, a dupla Laor e Odílio.

Hoje defendo o ” impeachment post mortem”, politicamente, dos dois em caso, se provado, de negligência, omissão e conivência no “Tema Neymar”.

A trapalhada internacional Vila Belmiro-Catalunha já provoca a formação de um grupo de réus tão grande que, pela quantidade, até parece coisa do “Petrolão”.

Eu disse parece.

Situação confusa, esquisita, preocupante…

E vai piorar, acho.

Na CBF também.

Os 500 mil dólares enviados pela Traffic de J. Háwilla para uma empresa fabricante de barcos estão sendo vistos como “batom na cueca” para o dono da “canoa”, furada.

“Batom na cueca”, uma criação novíssima do comentarista Mauro Beting.

E ganha uma cueca samba-canção quem adivinhar quem do mundo da bola adora ostentar singrando os mares.

E a tal “seleção de notáveis”?

Ora, dona CBF, “vá peidar n’água para fazer bolhinhas”, como é dito aqui no Sul de Minas, região-mãe da novelaça “O Rei do Gado”, do grande Benedito Ruy Barbosa.

Os tais “notáveis” são todos fracassados de ontem e hoje.

E a maioria torce contra Dunga.

Melhor seria chamarem Lula Pereira, Givanildo, Jair Picerni, Péricles Chamusca, Fito Neves, Roberto Cavalo, Joel Santana e Jair Pereira.

Infelizmente, Telê, Lula, Coutinho, Feola e Aymoré estão impossibilitados.

E para que técnico se não temos jogador?

É como iate no deserto.

Ou plantar café sem adubo.

Opine!!!