publicidade

Blog do Milton Neves

Ganso, cisne e urubus

Milton Neves

Pobre menino genial esse Paulo Henrique Ganso.

Meu Deus, que imbróglio!

Criado muito pobre em Belém do Pará, Ganso tem o calcanhar do conterrâneo Sócrates, a calma de Didi, a habilidade de Ailton Lira, a cabeça de Garrincha, as coxas de Clodoaldo e os joelhos de Pagão.

Sim, Pagão “o canela de vidro”.

Eram tantas as contusões que o único “pagão” da história de nosso futebol parou oito anos antes da hora.

Para a tristeza da bola, do futebol e de Chico Buarque de Holanda, o fã número 1 do saudoso Paulo César Araújo.

E por que também “as coxas de Clodoaldo”?

Igualmente criado humildemente em Aracaju-SE, contraiu esquistossomose quando criança e essa doença, mesmo que curada, cobrou seu preço mais tarde e Corró também parou muito cedo por “fraqueza muscular”.

Já Ganso sofre dos joelhos multioperados, dos “incômodos musculares”, de monumental lentidão e, fundamentalmente, de sua tumultuada cabeça ainda de menino.

De vez em quando recebe também diagnósticos de seu médico, “o Doutor Migué”, como neste final de semana.

Enquanto Neymar conquista o mundo no talento, na fama e no bolso, Ganso, o “irmão-gêmeo” do garoto do cabelo feio, não apenas parou como está andando prá trás.

É muita gente no ouvido de Ganso.

É muito conselheiro dando palpite na vida desse ainda adolescente da bola.

Direitos econômicos fatiados, Ganso virou em Santos o marisco a sofrer com a eterna briga das ondas com as rochas.

Não é só o dinheiro a separar Ganso da paz completa para voltar a jogar o tanto que sabe.

E como sabe!

O “imbróglio Ganso” envolve birra, ciúmes, competição, egos e retaliações de três lados: representantes do jogador, diretoria atual e até parte da diretoria anterior do Santos, que o revelou.

O dinheiro também atrapalhou e atrapalha a vida desse volante-meia tão raro.

Só que, depois de tanta confusão, acusações, futricas e desencontros, todos os “conselheiros”, o jogador e cartolas do Santos estão é perdendo muita grana.

Ganso não vale hoje 30% do que já valeu.

Sobrou o corvo e rico São Paulo que “passou a perna” no sheik “bobão” do PSG vendendo o bom Lucas por absurdos R$ 108 milhões e que agora fica oferecendo dinheiro de pinga por Ganso.

Ora, não basta já ter levado Pita na bacia das almas?

E ainda quase “ganhou” Giovanni, no auge do “Messias” na Vila.

Essa quase transferência, “melei” mesmo ao microfone da Rádio Jovem Pan.

Era uma “manta” monumental.

Mas, agora, tomara que Ganso vá sim pro São Paulo, mas por um preço justo.

Aí, no Morumbi, Ganso vira cisne na hora e afasta todos os urubus que estão infernizando sua cabeça, ombros, joelhos, coxas e bolsos.

Boa sorte!

Compartilhe: